top of page

ROMEU E JULIETA

de William Shakespeare



16 NOV | 21h45


FINTA

FESTIVAL INTERNACIONAL DE TEATRO

ACERT TONDELA







encenação

MARIA JOÃO LUÍS


com

AFONSO MOLINAR, BRUNO AMBRÓSIO, CÁTIA NUNES, FILIPE GOMES,

INÊS CURADO, JOSÉ LEITE, MIGUEL SOPAS, PAULO LAGES, PEDRO MOLDÃO

RODRIGO SARAIVA, SÍLVIA FIGUEIREDO, TADEU FAUSTINO

tradução e adaptação FERNANDO VILLAS-BOAS

cenografia ÂNGELA ROCHA

criação musical e ilustração JOÃO LUCAS

figurinos JOSÉ ANTÓNIO TENENTE

desenho de luz PEDRO DOMINGOS

assistência de encenação FILIPA LEÃO

segunda assistente CARINA R. COSTA

produção executiva ARTUR DOMINGOS

assistência de produção FILIPE GOMES

direcção de produção PEDRO DOMINGOS

produção

TEATRO DA TERRA 2023

co-produção

NOVO CICLO ACERT

CASA DAS ARTES DE VILA NOVA DE FAMALICÃO

M/12

A história trágica de amor de Romeu e Julieta, escrita pela pena de Shakespeare em 1597, é uma das obras mais reconhecidas, mais reproduzidas, mais representadas em todo o mundo.


Uma e outra vez, com algumas liberdades criativas, a história repete-se: Em Verona, duas famílias inimigas, os Montéquio e os Capuleto, assistem ao enamoramento dos seus filhos. “Dois amantes predestinados” como se lê na obra de Shakespeare. Apesar das rivalidades familiares, Romeu e Julieta encontram-se e apaixonam-se profundamente. Desafiam as convenções sociais e o ódio que há décadas separa as suas famílias, casam secretamente, mas uma série de trágicos equívocos e eventos culmina na morte prematura de ambos, selando o seu amor como uma história de amor proibido e maldito.


Nesta versão do Teatro da Terra, com encenação de Maria João Luís e tradução e adaptação de Fernando Villas-Boas assistiremos a um espetáculo que bebe das palavras de Shakespeare mas que reflete também uma visão atual. Com uma linguagem contemporânea e uma estética visual ousada, ROMEU E JULIETA explora temas intemporais como o amor, a violência, o ódio e a reconciliação. A intensidade da paixão entre os protagonistas é refletida em interpretações multifacetadas, que amplificam toda a violência e a energia contida no conflito entre as famílias.



_______________________________________________

Para apreciarmos a extraordinária inversão de valores que a peça Romeu e Julieta trouxe, basta vermos uma versão poética contemporânea da mesma história, colhida em novelas italianas, à qual Shakespeare deitou mão para construir o seu enredo. The Tragical History of Romeus and Juliet (1562), de Arthur Brooke, não entroniza os dois adolescentes e o seu amor impaciente, como faz a versão de Shakespeare, no que ficou a ser a fonte, afinal, do culto da juventude que ainda está nos nossos hábitos e que esta peça inaugurou (R&J é de 1595-96, uma distância que por si só mostra a popularidade do poema). Pelo contrário: o conto em verso de Brooke oferece várias lições: o autor toma o partido dos pais, naturalmente, à luz dos costumes da época, e dá o nome de “desejo desonesto” à força que une o par, além de tratar Julieta como “donzela cheia de vontades” - a mesma ofensa com que o pai Capuleto castiga a filha no drama de Shakespeare (e nesta versão portuguesa), no discurso violento em que ameaça deserdá-la, caso não case com o noivo escolhido. Desta fonte (e de outras semelhantes, na prudência com que tratam o fogo juvenil), Shakespeare extraiu uma história radicalmente diferente. Desde logo, três personagens menores são aumentadas na peça para se tornarem forças no drama: Mercúcio, a Ama e Tebaldo, todos, de algum modo, anti-heróis, inimigos daquela união em nome da camaradagem masculina, dos limites da vontade feminina, e, por ordem e por fim, do respeito pelos fervores tribais das famílias. Shakespeare mudou também a ordem e a importância relativa das peripécias, acrescentando outras, para criar uma precipitação irresistível. O tempo da acção encolhe para poucos dias, em vez dos meses da narrativa tradicional, e a união dos amantes cabe numa só noite, já sob a sombra da separação inevitável. As mortes de Romeu e Julieta já não serão apresentadas como os justos castigos da sua irracionalidade e rebeldia (um termo muitíssimo negativo no vocabulário da época, e no do próprio Shakespeare). Para elevar aquela união perturbadora da ordem daquela Verona imaginária, Shakespeare funde arrojadamente a sua paixão (e da sua época) pelo soneto de gosto italiano, com aquilo a que se pode chamar o princípio do teatro como espectáculo verbal, que o teatro do nosso tempo tantas vezes descura, mas que fazia a regra do teatro isabelino: um teatro para ser ouvido, ainda mais do que visto. Esta peça, por via da sua inspiração na fonte lírica italiana, mais exactamente petrarquista - a mesma de Camões -, junta ao enredo tenso uma exibição de luxo verbal que nunca se prejudicam mutuamente em cena. O verso carregado de lirismo serve para compactar emoções, dar expressão aguda a traços do carácter das personagens, e assim ajudar à construção de um tempo progressivamente comprimido. E aquela coincidência literária deve ser e pode ser plenamente aproveitada. É uma crença desta versão, a possibilidade da imitação da dicção lírica original. Para uma ilustração deste processo basta a cena do encontro, no baile, entre Julieta e Romeu enquanto desconhecidos, sendo que as deixas que vão trocando até se consumarem os dois beijos trocados constituem, em si mesmas, um soneto rimado, em que os versos regem a pauta de movimentos contidos. “É um livro, essa boca”, diz Julieta, num elogio à delicadeza com que Romeu soube responder ao desafio poético. Esta versão acredita, portanto, no espectáculo verbal, e no poder do seu ritmo em toda a máquina cénica.

Fernando Villas-Boas

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page